Kate Nash – cantora britânica se veste de brasileira e se autoproclama manifestante: um equívoco intercultural?

Aproveitar da fama para fazer fotos que utilizem como pano de fundo o manifestações sociais em outro país pode ser uma decisão arriscada por muitas razões. No caso da cantora britânica Kate Nash, por exemplo, nos perguntamos se não foi um equívoco intercultural sua decisão de se enrolar na bandeira do Brasil e proclamar seu apoio aos manifestantes durantes os protestos no Brasil.

Embora a imprensa inglesa não tenha divulgado sobre o assunto, comentários e reações negativas foram amplamente divulgados na mídia online brasileira sobre a decisão de Kate Nash de publicar sua imagem no seu Facebook enrolada na bandeira do país durante os protestos em São Paulo. A cantora estava na cidade para participar do Festival Cultura Inglesa. Independente das suas intenções, a imagem não foi bem aceita pelos manifestantes brasileiros.

Um erro de interpretação do espírito brasileiro?

Não faltaram comentários no Facebook relacionados à imagem da cantora britânica coberta com a bandeira brasileira. Alguns exemplos: “Kate, eu te amo, mas você não estava protestando. Você ao menos sabe sobre o que são estes protestos?” e “Você não está protestando, você está posando.” Até mesmo o famoso escritor Paulo Coelho postou no Twitter: “Muda Brasil, mas não com a Kate Nash protestando”.

Pressupõe-se, claro, que Kate Nash não esperava esta reação negativa do público brasileiro. Aqui na Across, nós nos perguntamos se a cantora e sua equipe não interpretaram erroneamente o espírito brasileiro. Pela nossa própria experiência, podemos dizer seguramente que a principal percepção dos estrangeiros em relação ao povo brasileiro é de um povo receptivo e amigável. Muitos, incluindo Kate Nash e sua equipe, provavelmente concluirão que a resposta dos brasileiros em relação a foto foi uma anomalia. Se esta for a conclusão, a única justificativa possível seria de que o caráter amigável do brasileiro foi momentaneamente suspenso, devido ao momento histórico e político atual vivenciado pelo Brasil. Sendo este o caso, a cantora não entendeu o espírito brasileiro.

Existe um ditado no Brasil que diz o seguinte: “Eu dou um boi para não entrar na briga, mas depois que entro, dou uma boiada para não sair”. Interpretado a grosso modo, quer dizer que o brasileiro não se distrai facilmente uma vez que ele entra na briga. Provavelmente Kate Nash e a sua equipe não entenderam porque o Brasil está protestando e, consequentemente, que os manifestantes não seriam facilmente seduzidos pela sua foto enrolada na bandeira. O resultado: de artista com um grande número de fãs no Brasil, Kate Nash se tornou a artista famosa sem qualquer conexão com os assuntos discutidos no Brasil, se aproveitando do espírito amigável do brasileiro para obter vantagem própria.

Os brasileiros estão ficando mais sensíveis em relação ao envolvimento de estrangeiros nos problemas locais?

Nós postamos a imagem da Kate Nash na nossa página do Facebook (http://on.fb.me/1773dk6) e estamos explorando a razão das reações negativas dos brasileiros em relação à foto. A nossa rede de parceiros e os nossos amigos que moram no Brasil nos disseram que não gostam, realmente, quando estrangeiros se envolvem nos problemas do país sem serem chamados.

Pontos primordiais dos protestos incluem questionamentos sobre como os recursos brasileiros estão sendo utilizados e onde deveriam estar as prioridades do país: na melhoria de escolas e transporte público acessível ou na construção de estádios de futebol ao invés de hospitais?

Com base no que lemos e ouvimos, a mensagem que vem dos brasileiros é de que Kate Nash tentou tirar vantagem de um momento tenso de protestos por questões cruciais entre o governo brasileiro e seu povo. Neste sentido, o que os brasileiros estão dizendo para a cantora nas entrelinhas seria: “Sua imagem não traz credibilidade aos nossos protestos, porque, como estrangeira, você não deve nem saber onde começam os motivos pelos quais estamos protestando. Então, não se envolva com os nossos problemas”.

O valor de um treinamento em comunicação transcultural

Como uma artista, Kate Nash está obtendo publicidade e, mesmo que negativa, a sua exposição pode ser positiva para a sua carreira no Brasil no futuro. Apesar disso, neste exato momento, seu nome como artista está manchado no solo brasileiro.

Em uma era de comunicação instantânea, quando todos os diálogos são postados e compartilhados on-line, a foto da Kate Nash é um exemplo perfeito de uma comunicação transcultural equivocada. No mundo ideal, a artista e/ou seu time deveriam ter consultado um especialista na área sobre o comportamento e temperamento brasileiro e teria recebido aconselhamento sobre o que dizer ou fazer em relação aos protestos no Brasil. Teria também recebido dicas sobre como se expressar de uma forma que os brasileiros entendessem sua mensagem como sendo genuinamente de apoio, ao invés de achar que a artista simplesmente estava usando o momento tenso do país como uma oportunidade de marketing.

Na Across, acreditamos que equívocos culturais como este acontecem, mas deveriam ser evitados, em todas as indústrias e, em particular, na indústria de pesquisa de mercado. Como? Escolhendo parceiros que possam oferecer um entendimento profundo da psique do país, baseado no contexto cultural que vai além do que se vê no presente ou do que é visto através de entrevistas.

This entry was posted in Culture and tagged , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink. Both comments and trackbacks are currently closed.